sexta-feira, 2 de março de 2012

Tempos difíceis



São tempos difíceis os nossos
Muitas luzes, muito luxo, pouca alma
Tempos que acumulam destroços
De sorrisos falsos ali na sala

São tempos sem futuro e sem passado
A pressa nos engole em sucessão
Satisfação? Só se encontra ali ao lado
Felicidade se paga com um cartão

São tempos sem memória e gratidão
O que já foi, passou, não volta mais
Atropelamos a história sem perdão
Repetimos os erros ancestrais

São tempos de apatia desgraçada
Onde o medo sepulta a revolta
Seguem os bons sem fazer nada
Continuam os maus todos à solta

Mateus Medina
02/03/2012

2 comentários:

  1. Alguns bons fazem, vai... rs Mas sobre o restante, infelizmente, eu concordo com tudo!

    ResponderEliminar