quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O que não

Doem as pernas de não caminhar
Ociosas, pesadas, esquecidas
Para o coração por não amar
Silêncio, vazio, feridas

Tortos os dedos de não escrever,
Histórias que nunca nascerão
Já não importa viver ou morrer,
Com essa atrofia nas mãos

A boca esticada de nunca sorrir
Dissimula a alegria perdida
O beijo que cala o chegar e partir,
Também cala a verdade esquecida

Rouca a garganta de nunca gritar
A verdade que se debate n'alma
Relega ao silêncio as vibrações do ar,
Que não vibra, em pretensa calma

Mateus Medina
07/11/2012

2 comentários:

  1. Um poema triste, por todas as coisas não realizadas...
    Gostei muito.

    Abços
    Rossana

    ResponderEliminar
  2. Do caralho essa segunda estrofe, meu nobre!

    ResponderEliminar